Livro “Fábulas de Esopo” “Aesop’s Fables” – 15 – Volume I

THE OLD WOMAN AND THE DOCTOR

A capitular

n Old Woman became almost totally blind from a disease of the eyes, and, after consulting a Doctor, made an agreement with him in the presence of witnesses that she should pay him a high fee if he cured her, while if he failed he was to receive nothing. The Doctor accordingly prescribed a course of treatment, and every time he paid her a visit he took away with him some article out of the house, until at last, when he visited her for the last time, and the cure was complete, there was nothing left. When the Old Woman saw that the house was empty she refused to pay him his fee; and, after repeated refusals on her part, he sued her before the magistrates for payment of her debt. On being brought into court she was ready with her defence. “The claimant,” said she, “has stated the facts about our agreement correctly. I undertook to pay him a fee if he cured me, and he, on his part, promised to charge nothing if he failed. Now, he says I am cured; but I say that I am blinder than ever, and I can prove what I say. When my eyes were bad I could at any rate see well enough to be aware that my house contained a certain amount of furniture and other things; but now, when according to him I am cured, I am entirely unable to see anything there at all.”

 

Ouça o texto clicando na seta abaixo

(se não apareceu ou para pessoa com deficiência visual aqui)

 

A VELHA E O MÉDICO

U capitular

ma Velha se tornou quase totalmente cega de uma doença dos olhos, e, depois de consultar um Médico, fez um acordo com ele, na presença de testemunhas, de que ela deveria pagar-lhe um alto honorário se ele a curasse, enquanto se falhasse ele não receberia nada. O Médico adequadamente prescreveu um tratamento, e toda que vez que a visitou levou consigo algum objeto da casa, até que afinal, quando a visitou pela última vez, e a cura estava completa, não havia mais nada. Quando a Velha viu que a casa estava vazia recusou-se a pagar seus honorários; e, após repetidas recusas da parte dela, ele a processou perante os magistrados para pagamento de seu débito. Ao ser levada à corte ela estava com sua defesa pronta. “O reclamante,” disse ela, “declarou os fatos sobre nosso acordo corretamente. Eu combinei pagar-lhe honorários se ele me curasse, e ele, de sua parte, prometeu não cobrar nada se falhasse. Agora, ele diz que estou curada; mas eu digo que estou mais cega que nunca, e eu posso provar o que eu digo. Quando meus olhos eram ruins eu podia ao menos ver bem o bastante para estar ciente de que minha casa continha uma certa quantidade de móveis e outras coisas; mas agora, quando de acordo com ele estou curada, eu estou completamente impossibilitada de ver qualquer coisa lá de modo algum.”

 

Ouça o texto clicando na seta abaixo

(se não apareceu ou para pessoa com deficiência visual aqui)

 

gofinho-voltar-amarelo<Índice>